Follow by Email

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Quanta dedicação nas campanhas eleitorais!


Quanta dedicação nas campanhas eleitorais!
Estamos sendo bombardeados com tantas investidas vindas dos candidatos as eleições municipais, e, querendo ou não acabamos por aprender alguma coisa. Pelo menos a cantarolar as músicas eleitoreiras. São tantas coisas que fico sobremaneira impressionado. As ruas estão repletas de pessoas panfletando, mostrando planos de governo de seus candidatos, em cada esquina bandeiras tremulando, carros de som pelas ruas divulgando o nome daquele que “vai resolver os problemas do município”. Vão de casa em casa tentando convencer os munícipes de que o candidato tau é o melhor. Quando olho pra tudo isso fico questionando. Por que não há dedicação das igrejas em fazer o mesmo? Nossas campanhas evangelísticas duram em média quinze dias, e nesses quinze dias rara são as vezes que panfletamos de casa em casa. Raríssimas são as vezes que a bandeira do evangelho tremula nas praças e esquinas. Não é difícil perceber o empenho dos trabalhadores nesse período. Também não é difícil notar a atuação de evangélicos dispostos a encarar o sol, a chuva, estradas empoeiradas etc. a fim de apresentar  o suposto “salvador da crise municipal”. É lamentável saber que muitos desses evangélicos são os mesmos que volta e meia dizem que se sentem envergonhados em falar de Jesus pelas ruas, de casa em casa, entregar folhetos, ir às praças. O que será que está acontecendo? Segundo as palavras do profeta Isaías eu diria que em princípio falta temor a Deus. ISAÍAS 29. 13 Por isso o Senhor disse: Pois que este povo se aproxima de mim, e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas tem afastado para longe de mim o seu coração, e o seu temor para comigo consiste em mandamentos de homens, aprendidos de cor; Diria também que falta conhecer o poder do Espírito Santo. É o poder do Espírito Santo que nos encoraja a sair pelas ruas, esquinas praças, com sol ou chuva para anunciar o plano, não de governo, mas o plano de salvação para a vida do homem. Não para anunciar um candidato que possa resolver os problemas da humanidade, mas para anunciar Jesus, que já foi eleito pelo Pai para governar e resolver o maior problema da humanidade, o pecado. ·ATOS 1.8.  Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e serão minhas testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samária, e até os confins da terra. Não é o poder do Espírito Santo que da ousadia para anunciar um candidato ao governo de um município ou cidade. É a necessidade e por muitas vezes interesse próprio. Quero terminar dizendo que temos necessidade de anunciar o evangelho, temos também, não interesse próprio, mas, interesse em ver outras pessoas confiando em Deus, creditando suas vidas, família, casa, cidade, munícipio, país tudo nas mãos daquele que pode tudo, sem possibilidades de erros ou falhas. Dedique, anuncie se entregue, de seu melhor por aquele que deu a vida por você. Jesus.   “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu único filho, para que todo aquele que nele crê, não pereça mas tenha vida eterna” (João 3. 16).
Sem. Carlos D. Corrêa

sexta-feira, 1 de junho de 2012

JESUS VAI COM VOCÊ!

Analisando o texto de Marcos capítulo 5. 21 - 24 a parte A do verso 24 me chamou atenção; Jesus foi com ele.O pedido de Jairo, um dos principais da sinagoga.No Novo Testamento encontramos, além desta mais duas referências a pessoas que ocupam esta função: a primeira é em Mc. 5,31-43 onde Jesus aparece a curar, a filha de Jairo, chefe da sinagoga; a segunda vez é a figura de Sóstenes, em Act. 18,16 também ele nomeado sem mais detalhes, chefe da sinagoga.
As competências do chefe da sinagoga eram a presidência da assembleia, interpretar a lei, decidir sobre questões legais, administrar a justiça, abençoar os casamentos e decretar os divórcios.
Dada a sua posição de elevada influência na comunidade de Corinto, a conversão do seu chefe, Crispo, além de ter arrastado consigo os membros da sua família, também impressionou muitos outros judeus. Talvez possa ser esta uma das razões que para o autor dos Actos, se mostrou relevante o relato desta história.
Segundo uma inscrição encontrada na sinagoga de Corinto, o chefe da sinagoga tinha também a responsabilidade da manutenção do edificio. Como esta função exigia uma certa disponibilidade de dinheiro, podemos supor que Crispo pertencesse também a uma classe social elevada.
É importante notar nas narrativas do novo testamento que Jesus atraía multidões por onde passava.Seria esdruxulo querer comparar Jesus com alguns líderes religiosos atuais. Não é e jamais será essa a intenção. O que na realidade acontece é que alguns líderes religiosos da atualidade arrastão multidões, o diferencial entre Jesus e eles é que Jesus não escolhia quem deveria segui-lo, pobres, mendigos, aleijados, ricos, doutores da lei, gente de várias classes sociais; "Vide a mim todos que estais cansados e sobrecarregados..." Hoje o que vemos são líderes que escolhem as pessoas por, raça, classe social, iletrados, cultos, curso superior etc. E cada um deles pregam aquilo que o povo quer ouvir, e não o que precisam ouvir.
Jairo não era pobre, tinha dinheiro, recurso suficiente para investir na saúde de sua filha.

Sua necessidade agora era maior do que sua posição social, maior do que sua riqueza, sua filha estava morrendo. Ele então ignora os dogmas que se opunha a Jesus e experimenta o poder de Cristo, querendo saber se ganharia ou não algo com ele.
Jairo representa a humanidade. Ele tinha uma filha em necessidade, que precisava da atenção de Jesus, o caso dela ela extremamente grave. Todos nós temos em nossas vidas nossas “filhas”, que precisam de Jesus. Eu dizer pra você que assim como Jesus foi com Jairo ele também vai com você.
Mas você precisa tomar algumas atitudes.
1- Você deve aproximar-se de Jesus como fez Jairo e como nos orienta Tiago 4. 8
2- Você deve abrir mão da sua posição... (a necessidade é maior.
3- Você deve prostra-se aos pés de Jeus (Mc. 5. 22)
4- Você precisa ser insistente v. 23
5- Você dever reconhecer Jesus como a única esperança v. 23